Posts| Comments|Pátio Gospel Notícias atualizadas

Como trabalhar com gente chata

Posted on 19 de set de 2012 and filed under , ,

Pode ser um colega de departamento, um subordinado, um chefe, um cliente… Enfim, alguém com quem você evitaria o contato, se pudesse. Como essa geralmente não é uma boa alternativa, o jeito é aprender a lidar com essas pessoas.
O consultor estratégico e palestrante Peter Bregman, que escreve para o Harvard Business Review, conta como contornou a situação. Certa vez, ele teve de trabalhar com Jeff (nome fictício) em um projeto que iria beneficiar os dois. Jeff era um profissional honesto, respeitado e capacitado. O problema é que Peter não gostava dele. E não sabia exatamente o porquê. Talvez Jeff parecesse meio arrogante e autossuficiente demais, incapaz de pensar nos outros.

Ignorar o problema não adianta

Normalmente, quando você diz a alguém que não gosta de um colega de trabalho, o conselho é algo como “tente não pensar muito nisso, apenas faça seu trabalho”, ou “não leve para o lado pessoal”. Peter considera esses conselhos impraticáveis, porque nós acabamos perdendo tempo reclamando do colega chato ou, ainda, nos estressando em relação aos momentos em que temos que lidar com ele. Não dá para simplesmente “fazer nosso trabalho”.

Se você não gosta de alguém, é possível que essa pessoa descubra e passe a não gostar de você também. “Se você acha que trabalhar com alguém de quem você não gosta é ruim, tente trabalhar com alguém que não gosta de você”, diz. Colegas com os quais você se dá bem normalmente tentam te ajudar; já aqueles que não querem nem olhar sua cara em geral fazem o possível para dificultar as coisas.

O que fazer?

Peter recomenda que, em primeiro lugar, você pense naquilo que faz com que você não goste do seu colega de trabalho. Talvez você o ache egoísta. Indisciplinado. Impaciente. Mal-intencionado. Intolerante. “Agora – e essa é a parte difícil – pense se, nos cantos escuros do seu ser, você consegue detectar fragmentos daqueles traços desagradáveis”, aconselha. Você às vezes é egoísta ou indisciplinado? Impaciente? Faz coisas com más intenções? Há momentos, sugere Peter, em que gostaríamos de nos afastar de nós mesmos; da mesma forma que gostaríamos de nos afastar do colega.

“Em outras palavras, há chances de que você não aguente aquela pessoa em primeiro lugar porque ela lhe faz lembrar daquilo de que você não gosta em si mesmo”, afirma. Quando é esse o caso, buscar compreender o outro é buscar se compreender.

A superação da própria chatice

Há vezes em que vemos e desprezamos nos outros características que fazem parte de nós – por mais difícil que seja admitir isso. Quando encontramos alguém que tem os mesmos defeitos que nós (e que nos incomoda justamente por isso), podemos transformar o incômodo em aprendizado.
Por um lado, sentir na pele os próprios defeitos (mesmo que só apareçam raramente) pode provocar mudanças internas. Pode nos levar a pensar algo como “nossa, não achava que eu pudesse ser tão chato”.

Por outro, quando a outra pessoa tem os mesmos defeitos que nós, é mais fácil entender como ela se sente e como essas características podem não parecer “defeitos” para ela. Peter recomenda que você pense nos momentos em que agiu como seu colega. O erro, o incômodo causado parecia tão claro como parece quando você vê outra pessoa agindo dessa forma?

“Você pode viver com a complexidade da sua humanidade? Esta é a chave para ter compaixão por si mesmo. E, dessa forma, ter compaixão pelos outros”, conclui Peter. Depois de passar por todo esse processo, ele começou a ver a si mesmo em Jeff. Ao final do texto, ele admite: “Agora gosto de Jeff”.

Hypescience|Pátio Gospel Noticias

0 Comentários

Exponha sua opinião

Sua opinião é bem vinda, seja ela qual for (desde que não use palavrões). Vai fazer propaganda? Acesse a página de publicidade.

troca de banners link e divulgao de sites site gratis Bolsa de Valores Bovespa Ibovespa

Conversas no Pátio

Últimas

Anúncio